Um Homem! Um Deus!


Meu irmão Eli Lopes morreu. Essa semana minha igreja teve seu primeiro dia útil com a triste perda de um de seus membros mais ativos e admirados por sua fé. Creio que todo choro que vi vinham de pessoas que sinceramente conheceram e foram abençoadas pela convivência com esse homem de Deus.

Lembro-me de quando cheguei nessa igreja e logo fui recebido com carinho e apoio pelo Eli e sua esposa, Maria. Muitos outros irmãos me trataram com grande receptividade, mas por esses irmãos me senti logo adotado. A simplicidade de seu entendimento bíblico da fé e da vida o fizeram uma pessoa receptiva, equilibra e exemplar em seu procedimento.

Vindo do Rio de Janeiro, experimentou o sofrimento de um casamento marcado pela impiedade de uma esposa egoísta. Mas sua vinda à Carapicuíba lhe reservou o grato encontro com sua atual viúva, Maria. Depois do sofrimento a benção de um casamento com uma irmã em Cristo. De ambos os lados filhos de um primeiro relacionamento que logo se adotariam como família.

Os laços de amor que logo se apertaram revelaram a importância de uma família bem estruturada. Esses laços se mostraram firmes no choro incontido de esposa, pais, filhos e enteados. Eles não choravam a perda de um ídolo, mas de alguém que, como Paulo, era exemplo, ou referencial de alguém que fazia de Cristo seu alvo. E foi exatamente isso que marcou tanto a vida desse irmão amado.

Sua fé assombrava todo aquele que esperava encontra um homem derrotado pelo câncer. Mesmo nas dores mais profunda de seu último mês de vida, sua fé o levava a entender que a vontade de Deus é boa perfeita e agradável. Ele se foi na segurança de quem sabia que estava indo para os braços de Cristo como um vencedor. Ele não era um ídolo pop, mas um vencedor no sentido pleno da palavra. Longe dos milhões e das neuroses de nossa personagem anterior, ele juntou filhos bem educados e encaminhados, uma esposa dedica e uma fé inabalável.

Tudo isso nos leva pensar que aqui temos um Homem, e por detrás deste homem, fazendo dele quem ele foi, um Deus. Isso significa que um referencial correto nos leva a uma vida que vale a pena. Jackson morreu como uma aberração plástica, sem o amor de sua família e endividado. Meu irmão Eli, carpinteiro, morreu ao lado de sua esposa, que o amou até o último momento, e com a tranquilidade de ter se despedido de seus filhos e deixado para eles a melhor herança de todas: a aliança com Cristo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

O conceito bíblico de liberdade

Qualidades essenciais do conselheiro cristão