Lucas 19.1-10


O que é a alegria indizível? Uma pergunta muito importante para aqueles que procuram entender o que de fato se passa na vida de cristãos que, mesmo nas piores situações, se sentem confortados nas mãos de Deus. Penso que uma personagem na Bíblia pode exemplificar tal alegria.

Zaqueu foi um cobrador de impostos e muito rico, pois explorava muito sua posição, a qual lhe permitia cobrar o quanto quisesse a mais do que era exigido pelo império Romano. Pessoas como ele e o evangelista Mateus, isto é, publicanos, eram odiadas pelos judeus, pois eram vistas como traidores, que abandonavam e exploravam seu povo por Roma. Mas esse homem, acostumado a juntar e explorar, passou a ter alegria numa atitude completamente oposta.

Ele teve um encontro com o Senhor Jesus e descobriu algo que poderia lhe dar uma alegria tão profunda, que tudo o que ele havia juntado lhe pareceu pequeno. Após todo o esforço para ver Jesus passando e ser identificado por ele, Zaqueu teve a oportunidade única de receber o Senhor em sua casa. Aquele traidor agora estava com o próprio Messias em seu lar, ouvindo sobre a salvação tão esperada por Israel. Aqueles momentos com Cristo foram tão impactantes, que Zaqueu mudou completamente seu foco.

De um homem que juntava e defraudava seus compatriotas, passou a ser alguém que dividia seu dinheiro, pois tinha um tesouro maior. O texto sagrado nos diz que ele não só resolveu devolver quatro vezes mais do que havia pegado a mais, conforme exigia a Lei de Moisés, como também se dispôs a dividir tudo o que tinha com os pobres. Que alegria ele não deve ter sentido ao descobrir a verdade do evangelho, a ponto de inverter seu enfoque de prazer: de juntar, para dividir.

Essa é a alegria indizível. De um prazer baseado neste mundo, passa-se a um prazer em coisas eternas que em muito supera o presente estado das coisas. Podemos nos alegrar naquilo que o Senhor nos providencia aqui e agora, seja dinheiro, bens, relacionamentos, lugares, conhecimento, tudo é muito bom e desejável. Por outro lado, nenhuma dessas coisas sequer faz sentido sem que sejam para a glória de Deus. Diante de todo dinheiro juntado para sua satisfação pessoal, Zaqueu teve grande prazer diante de Deus em dividir e devolver tudo que tinha pego. Essa é a verdade que liberta; liberta da prisão do pecado, do apego às coisas materiais, liberta deste mundo e nos coloca livres para servir ao Senhor.

Àqueles que de fato conhecem essa verdade, não há nada melhor do que um relacionamento com o Criador. Diante disso, dinheiro, bens e tudo mais que for desta presente realidade se torna pequeno diante da alegria indizível que motivou Zaqueu a mudar de atitude. Através da vida deste homem, podemos ver que alguém pode abandonar uma vida de usura, por uma vida dedicada à alegria eterna de um relacionamento com aquele que em si mesmo é o melhor que a vida poderá trazer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

O conceito bíblico de liberdade

Qualidades essenciais do conselheiro cristão