"Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei; o SENHOR o deu e o SENHOR o tomou; bendito seja o nome do SENHOR!" Jó 1.21

Certamente este é o texto mais difícil de minha vida que escrevo. Ler as palavras do livro de Jó e vivenciá-las em nossa própria vida, nos dá uma dimensão nova do sofrimento e da fé. Depois de alguns meses de alegria e sonho, minha esposa e eu tivemos de ouvir que nosso bebê provavelmente não sobreviverá. Devido ao peso da placenta, seu útero não suportou e a bolsa desceu, passando pelo cólon do útero. Inevitavelmente, a bolsa estourou e os médicos nos avisaram que não há meio de nosso bebê sobreviver.

O mais duro é saber que ele está bem, sem deformações, com o coração batendo forte. Por lei, os médicos tem de esperar pela parada do coração. Esta espera é brutal para nosso coração. Não tenho mais lágrimas e tenho de ser forte para dar apoio à minha esposa. Já estávamos apegados por demais a esta herança de Deus e saber que a vida está, aos pouco, esvaindo-se de seu corpo, na expectativa da hora de tirá-lo de lá é certamente a dor mais forte que já senti. Por outro lado, há a possibilidade de que ele continue a se desenvolver, porém, com grandes possibilidades de que tenha alguma má formação, como falta de parte do aparelho digestivo. Enfim, nenhuma possibilidade nos tranquiliza totalmente.

Dou graças a Deus que minha esposa não é louca como a de Jó, e não me mandou amaldiçoar nosso Criador. Certamente esta é a atitude mais sábia neste momento e é nesta hora que vejo que o mais importante em tudo isso é manter em mente a fidelidade a meu Redentor e ter a certeza de que sua vontade é boa, perfeita e agradável, ainda que me doa.

A única coisa que tem falado tão alto quanto a dor é a certeza de que o tempo que tive não foi com meu filho, mas com o filho de meu Senhor, que o deixou algum tempo conosco, mas que pode querer levá-lo tão logo. Ele é Criador e pode fazer o que deseja de sua criação. Sou o barro que não tem autoridade, conhecimento, meios e auto-suficiência para questioná-lo (Rm 9.20,21).

Essa submissão pode parece um tanto fatalista e “autamente” cruel, mas é a expressão de um coração humilde, sofrido e resignado na certeza de que meu Senhor é bom e misericordioso. Ele o é, não por me fazer o bem, mas com base nele mesmo. Meu Deus sempre foi bom, antes mesmo de me criar, portanto, sua ação, ainda que a de me tirar meu bebê, é boa. É boa por estar em seus planos e por esses planos serem bons, pois partem de um Deus essencialmente bom. O propósito de Deus não é o de me fazer feliz, a não ser na hipótese – já real – de que minha felicidade esteja em ver sua glória, mesmo nos momentos mais duros. E que Deus glorioso é este que, mesmo em tempos tão duros faz suscitar louvor de meus lábios, para adorá-lo por sua sabedoria, soberania e bondade.

Aceito a vontade de meu Deus, pois tenho recebido seu bem, porque não receberia seu mal? Louvado seja o Senhor pela alegria momentânea que tive. Louvado seja Deus pela alegria eterna que tenho em Cristo. Certamente, ela em muito supera este momento tão doloroso: “Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados com a glória a ser revelada em nós” (Rm 8.18)

Apesar de tudo isso, nos exames o bebê continua a desenvolver-se. Seu coração está batendo normalmente e continua a se mexer. Não sabemos o que virá, mas sabemos que nenhum prognóstico dos médicos se concretiza alheio à vontade de Deus. Orem por meu filho. Orem por nós três. A esperança está no Senhor, não nos fatos.

Comentários

  1. aleluia.. que palavra gostosa da parte do ESPIRITO SANTO por vc meu irmao que tanto ta sofrendo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu irmão, fez 3 anos, último dia 18, e ainda doi muito. Grato pelo apoio. A Paz.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

Qualidades essenciais do conselheiro cristão

O conceito bíblico de liberdade