"Evangelho sem Cristo"



Nessa semana participei do congresso promovido pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie, que trouxe o Dr. Michael Horton. Foram dias muito bons, revendo amigos e colegas de seminário, alguns vindos de bem longe, para prestigiar esse pregador que muito contribui com seus livros. Sua presença aqui marca o início de congressos teológicos promovidos pelo IPM, com a liderança da chancelaria e da capelania. Na ocasião desse congresso, foi feito o lançamento oficial do livro: “Cristianismo sem Cristo”, do Dr. Horton. O tema do livro, bem como de suas palestras, tem muito a ver com a temática por vezes abordada neste blog: o verdadeiro evangelho.

Assim como temos visto por aqui, Horton chama a atenção para um evangelho que tem sido pregado, porém, sem as marcas do evangelho de Cristo. Em nossos dias, o que se prega é uma mensagem ao gosto do cliente, ou seja, o evangelho se tornou uma questão sobre “mim”, ao invés de, sobre Cristo. A mensagem de afago e solução de problemas, na verdade, é uma subversão do evangelho. Quando olhamos para as páginas do Novo Testamento, vemos Cristo apresentando outro tipo de evangelho: ele mesmo. Enquanto o evangelicalismo atual procura apresentar um evangelho que seja relevante às pessoas, adaptando-o à suas necessidades, Cristo apresentou-se como o único caminho, verdade e vida. Interessantemente, ele não fez isso prometendo ou realizando obras exclusivas, ou adaptadas a cada pessoa. Ele mostrou a todas que, não importando o estilo, idade, origem, ou outra coisa qualquer, somente ele basta.

O evangelho de Cristo é ele mesmo; o evangelho de hoje é: “do que você está precisando? Casa? Carro? Emprego? Etc.” Parece que as palavra do Senhor a Tomé: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”, não foram entendidas por muitas das personagens do cenário evangélico - seja líder ou membro comum. Confundimos nossas necessidades com os objetivos de Deus e a obra de salvação de Cristo com a obra de solução de meus problemas. Não, meu amado, o evangelho não se trata da solução de seus problemas. Tão pouco o chamado de Cristo é: “Páre’ de sofrer!” Pelo contrário, o chamado de Cristo é o de ir a ele, pois ele é a benção, a boa nova, o bálsamo dos céus. Enquanto muitos fazem do evangelho um amontoado de superstições e mantras de autoconvencimento de que tudo ficará bem, o Senhor nos chama para ir a ele e nele descansarmos, pois as tribulações do tempo presente não se comparam com a glória do porvir (Rm 8.18).

Mas como o homem está cheio de justiça própria, sua tendência a entender a salvação em termos de fazer algo, deturpa a imagem do evangelho. Esse deixa de ser o próprio Senhor e passa ser um conjunto de regras. Daí, vem a confusão entre lei e evangelho. Confundimos o amar o próximo com evangelho, enquanto isso é lei e pensamos que fazê-lo é conhecer o evangelho. O problema é que não só aqueles que estão em Cristo amam; também os que não o conhecem o fazem e, nem por isso, conhecem o evangelho. Amam sem conhecer a Jesus, ou seja, apenas obedecem a lei, mas sem o evangelho, o que nada lhes acrescenta. Devemos, então, por conhecermos o evangelho, que é o próprio Jesus, externizar os efeitos dessa revelação em nossas vidas e amar o próximo e a Deus, que é a lei.

Disto podemos depreender que conhecemos o evangelho, para andarmos na lei. Como nos disse John Stott: “A lei nos remete a Cristo para sermos justificados; e Cristo nos remete à lei para sermos santificados.” Conhecer a Cristo é conhecer o evangelho, e isso nos basta para sermos salvos; obedecer a lei é vivermos os efeitos do evangelho em nós, e isso basta para podermos aproveitar a libertação do pecado.

Por fim, não confunda obra de Cristo, com desejos pessoais. Não confunda lei e evangelho. Não confunda a revelação com seus efeitos. Não confunda a salvação realizada por Cristo, com a santificação, realizada pelo Espírito, com base em sua lei. É claro que a palestra nos trouxe muito mais informação, mas – escrevo isso sem nenhuma vaidade – seu conteúdo está espalhado por esse blog, sem contar que estará, logo logo, disponível na Internet.

“e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (Jo 8.32)

Comentários

  1. Paz e Graça Irmão

    Que o Senhor Jesus continue te abençoado a trazer mensagens edificante.
    Te convidamos a nos conhecer em : www.quebrandocadeiadomedo.blogspot.com
    Já estamos aqui a participar de seu blogabençoado.
    Esperamos tua visita.

    Antonio de Eliane (Carvalhos de Justiça)

    ResponderExcluir
  2. Caro irmão Antônio,

    Fico muito feliz de tê-lo acompanhando meu blog. Tenho buscado escrever textos que falam de minha alegria em conhecer o evangelho da salvação e de como isso me faz enxergar o mundo a minha volta.

    Contudo, tentei acessar seu blog, mas algo está errado no endereço. Vou tentar variantes.

    Grande abraço,
    Deus o abençôe.

    ResponderExcluir
  3. Paz e graça Pastor Ricardo,

    Me chamo Rosemberg Batista da Silva, sou Obreiro da Primeira Igreja Congregacional de Bayeux - Paraíba.

    Pastoreio Uma congregação aqui na Paraíba e sou um admirador da teologia que o senhor prega e de seu trabalho.

    Passei a ter conhecimento de sua pessoa, através do programa vejam só.

    Que Deus continue abençoando sua vida em Cristo Jesus.

    Abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

O conceito bíblico de liberdade

Qualidades essenciais do conselheiro cristão