A Verdade e o politicamente correto

Dois casos nesses últimos dias me chamaram muito a atenção. O primeiro foi o Senador Sarney dizendo que o impeachment foi um acidente de percurso sem importância. Não ouvi essa crítica, mas o que ele disse foi que o um dos maiores atos de liberdade e demonstração de cidadania brasileira não era importante. Isto é, o que o povo faz ou quer não tem importância, o que importa é o que “nós, parlamentares” fazemos; o que não os agrada é só manter de fora.

O segundo “causo”, foi em minha visita às instalações da SBB. Lá ouvi que a questão do cânon bíblico é só um problema de escolha entre o reduzido e o ampliado. O que é usado pelos protestantes é o reduzido e, pelos católicos, o ampliado, com o acréscimo dos livros apócrifos (Macabeus, Tobias, Baruc, Judite, Sabedoria, Eclesiástico). Além disso, ouvi que a única diferença entre essas correntes cristãs é a interpretação de Romanos.

Em ambos os casos vejo uma tentativa de se agir de modo a evitar conflitos, escolhendo-se o caminho do politicamente correto em detrimento à verdade. Sarney tentou evitar conflitos internos em sua vida política, provavelmente não querendo perder um possível aliado – Collor. No segundo causo, a SBB não só é apoiada como tem por cliente a Igreja Católica. Discordar de seu cânon, certamente não seria uma ação comercial das mais inteligentes.

Perceba que, nos dois casos, adaptações e discursos mal elaborados são utilizados para se manter as aparências e as conexões políticas e comerciais. Na boca desses, uma ação popular – tá certo que em muito impulsionada pela mídia – que leva a saída de um presidente eleito, torna-se um pequeno acidente; diferenças teológicas profundas e fundamentais quanto à soteriologia, escatologia, eclesiologia, bibliologia e quantos logias a mais, vira um simples caso de escolha entre ampliado e reduzido e diferenças sobre o entendimento de um único livro da Bíblia.

A arma do politicamente correto é o reducionismo. O intuito é tirar peso das questões e formulá-las em axiomas ínfimos e aparentemente inofensivos, nos levando a crer que nada de fundamental está sendo ameaçado. Esse tipo de ação conta com a preguiça do ouvinte, que não irá desenvolver as ideias a fim de confirmá-las ou rebatê-las. Isso é um perigo, pois a verdade não é uma questão simples, tendo em vista que ela une diversos, distintos e inúmeros aspectos da vida.

Além disso, a intenção é aparentar paz, amor, enfim, ter uma postura amiga, que rejeita a figura feia do camarada que gosta de arrumar problemas e discussões. Em nossos dias, aquele que cede ganha a simpatia, enquanto o que questiona e insiste em debater é tido por encrenqueiro. Contudo, são os encrenqueiros que descobrem o que há por debaixo da postura amiga e das aparentes insignificâncias das declarações reducionistas dos politicamente corretos.

Nosso dever como servos da verdade – lembrando que a verdade é Jesus – é o de buscá-la em cada questão da vida. Desde nosso relacionamento social e político, até nos debates teológicos. Será realmente que o impeachment de um homem que se envolveu em desvio de dinheiro público, num caso que contemplou assassinatos, tráfico de influência de todos os lados é um simples acidente? Ou que a Reforma protestante foi uma simples questão exegética quanto a Romanos? Duvido muito. Em ambos os casos a verdade é muito maior e profunda.

Sarney, como político que é, viu que deveria voltar atrás. No caso da SBB, penso que dificilmente isso aconteceria, já que houve comprometimento da visão histórica e hermenêutica da coisa. Sarney quer mais é manter sua imagem. Infelizmente, a SBB – penso eu – quer manter o cliente e está mordida pelo bichinho do ecumenismo. Quando este chega, tudo vai pelos ares: teologia, Bíblia, verdade e etc...

Seja um inquiridor. Queira sempre ir mais a fundo e não se deixe levar pelo politicamente correto, pois, via de regra, isso exige que você abra mão de algo fundamental para sua fé ou ética. Entre Sarneys e SBBs, todos se utilizam dos mesmos mecanismos para se articularem de um lado a outro. Para mim, o único lado para o qual desejo ir é o da verdade, do evangelho, de Jesus. Não se contente com respostas simplistas, reducionistas e rápidas demais. Pergunte, inquira, questione, não deixa pontas soltas.

Comentários

  1. Cara, muito bom. Excelente reflexão. Como diz a múaica: "paz sem voz não é paz, é medo".
    Vai para o boletim daqui.. rs

    ResponderExcluir
  2. Jr,

    à vontade. É sempre uma honra ter meus textos em seu seleto boletim.

    Abraço e beijos nas duas mulheres mais importantes de sua vida: Poli e Nandinha.

    ResponderExcluir
  3. Posso fazer de suas palavras em estudo? Meu amado Deus o uso para abrir os de muitos! Inclusive os meus! Sua palavras foram todas colacadas no tempo certo e posição certa!
    Que Deus te abençoi e te encha de sabedoria genuina!

    Abraço, querido de Deus!

    Franciê Rodrigues Lopes.

    ResponderExcluir
  4. Franciê,

    muito obrigado por suas palavras. Fico feliz que meu texto tenha ajudado. Espero poder fazer mais.

    Bênçãos naquele que é o caminho, a VERDADE e a vida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

O conceito bíblico de liberdade

Qualidades essenciais do conselheiro cristão