Segura a língua

“A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira”. (Provérbios 15:1)

A Bíblia nos ensina que refrear a língua é uma tarefa difícil. Aliás, bem-aventurado aquele que não tropeça no falar. Pare para pensar em alguns momentos de sua vida e, certamente, você irá se lembrar de situações onde o Provérbio: “Até o estulto, quando se cala, é tido por sábio, e o que cerra os lábios, por sábio.” (Pv 17.28); lhe cairia muito bem.
Pois é, falar é algo perigoso e, por vezes, destrutivo. Quantos relacionamentos não se quebram devido às escorregadas da língua? Quantas vezes não se vê até casamentos acabando porque uma das partes não mede bem o que se fala? Por isso, o provérbio título desta pastoral deve estar sempre em sua memória.
Responder de pronto quem lhe ofende é fácil. Atacar em resposta a quem te ataca é tão natural quanto respirar. Contudo, este é um comportamento alimentado pelo pecado, não pelo sentimento de justiça. Quem quer justiça questiona a razão da ofensa; quem quer vingança, ofende de volta. Mas não somente isso, o provérbio nos mostra que o caminho sábio é aquele que busca por fim à celeuma.
Ao invés de respondermos de pronto e darmos uma resposta à altura, nossos esforços deveriam se concentrar em buscar a paz. Para tanto, nossa resposta tem de ser branda, isto é, delicada. Esse tipo de resposta tiro o peso de qualquer culpa de seus ombros e ainda pode lhe fazer ganhar a seu agressor.
Possivelmente, você já viu aquela situação na qual alguém fala com extrema raiva e é pego de surpresa pela calma e delicadeza da resposta de seu oponente. Como dizem, “quebra as pernas”. Mas, ainda que isso não venha a acontecer, tenha certeza de que nada do aconteceu se estabeleceu por sua culpa e pela falta de cuidado no falar. Lembre-se que há um caminho sábio e justo a trilhar e este se distancia da vingança e da ira. Como costumo ouvir: “Se não for bom, não fale.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

O conceito bíblico de liberdade

Qualidades essenciais do conselheiro cristão