"Teleincomunicação" e a depravação humana.


Olá a todos. Depois de um longo período sem Internet, com sinceros agradecimentos à Telefônica-SP, que me deixou sem telefone fixo e banda larga desde o dia 18/12/09, estou aqui novamente. Já viram que não estou com aqueles humores, depois de tanta discussão com uma empresa “chinfrim” como essa. Foram inúmeros contatos para que eles transferissem uma linha de meu antigo endereço para o novo e nada; o pior é que para eles o serviço havia sido feito dois dias após minha solicitação. O bom é que estou com Internet móvel, agora mais rápida e onde eu quiser – por isso eu agradeço a Telefônica.

Esse acontecido, que não foi o primeiro perrengue que tive com essa “empreseca”, mas serve para vermos o quanto nos maltratamos e o quanto somos insistentes no erro. Para que você tenha uma idéia, meus problemas com a telefônica ficaram realmente feios depois que cancelei duas linhas comerciais que tinha. Tais linhas foram canceladas em dezembro de 2008, mas em fevereiro de 2009 eu ainda recebia cobranças da dita. Briguei e eles foram verificar. Enquanto eles verificavam, chegou a conta de março, cheias de ligações inexistentes e taxas e todos aqueles avisos de corte por não pagamento. Eles enrolaram e enrolaram, tentaram me fazer pagar, alegando que a linha ainda estava sendo usada. O que eles não sabiam era que eu conhecia a lei e sabia que só era responsável pela linha até 24h após o pedido de cancelamento. Como não colou tentaram enrolar mais um pouco.

Sem paciência, liguei na ANaTel e logo recebi o retorno da telefônica, dizendo que estava tudo cancelado, que não havia mais débitos em meu nome. Depois de 6 meses de silêncio voltaram não só as cobranças, como ameaças de inclusão de meu nome nos serviços de proteção ao crédito, bem como correspondências de uma empresa de cobrança, me dando 3 dias para resolver ou ter meu nome incluso em tais serviços. É claro que liguei na ANaTel, pois na Telefônica só se tem é chamadas que caem. Bom, nossa agência reguladora resolveu tudo, mas é bem ruim ser ameaçado, principalmente por algo que você não fez.

O interessante disso tudo é que, em conversa com uma das operadoras da Telefônica, descobri que realmente os atendentes derrubam os clientes. É claro que eu já sabia disso, a questão é que a própria atendente me confirmou isso. Morri de rir, mas achei boa a sinceridade dela.

O que ia me esquecendo de contar é que, na instalação dessas linhas comerciais, demorou-se um mês para que a instalação fosse concluída, pois ninguém, nem os técnicos da telefônica, conseguiam encontrar as linhas. Para piorar, já tínhamos, minha esposa e eu, anunciado o dito telefone no jornal, ou seja, pessoas ligavam e… nada!

Bom, agora foi em minha linha residencial, que já não tenho mais. Cancelei geral. Chega de palhaçada. Agora só quero saber de telefônica nos tribunais, para pagar minha indenização por tantos problemas.

Mas a lição que quero tirar disso tudo é que, enquanto muitos estão por ai valorizando o homem e dizendo que somos bons por natureza, penso que se isso fosse verdade, não estaríamos numa sociedade tão “chafundada” em desrespeito e violência. Meu caso teria sido resolvido com presteza e muitos mimos. Por isso, entendo que o homem jamais poderá ter participação em sua salvação. Sempre precisaremos da graça irresistível de nosso Deus para chegarmos lá (isso sem contar a regeneração, justificação, chamado, fé e etc...).

Não estou querendo, através de um único exemplo, provar meu ponto. Estou trazendo um, de milhões de exemplos inegáveis que nossa sociedade nos dá, de que o homem é totalmente corrompido, incapaz, por si mesmo, de voltar-se para o bem; ou é pela graça comum, ou pela irresistível.

Bom, estamos de volta, não sei por quanto tempo, pois vou a “Big Apple” na próxima semana, e não sei se dará para blogar. De qualquer modo, é bom estar de volta.

Comentários

  1. Pastor,

    Não se sinta sozinho nessas situações somos milhões de usuários clamando por um mínimo de respeito aos nossos direitos.

    Recetemente tive que cancelar um serviço da Oi que tinha prazo determinado para o cancelamento, para encurtar a história, só consegui falar com um atendente semanas depois que a data já havia passado. o engraçado é que eu passava na loja da Oi e eles falavam que era somente por telefone. Quando eu ligava para o número nunca conseguia falar com o setor de cancelamento, só consegui quando eu liguei para o número de novos assinantes (é claro que eu não queria ser um novo assinante), e quebrei o pau com a atendente.

    Eles atendem na hora quando é para fazer um novo plano, e quando é cancelamento é uma eternidade.

    Fora que eles não estão cumprindo as novas regras de callcenters que a opção de cancelamento deve vir no primeiro atendimento.

    ResponderExcluir
  2. De maneira nenhuma, meu caro Diácono; sozinho, realmente é algo que não irei me sentir nessas vias crucis. Sei que são milhões de milhões de insatisfeitos e mau atendidos pela telefonica, oi, vivo, claro, eletropaulo, etc e etc...rsrs. Cada vez mais eu sinto que o melhor é ir para o mato e não precisar de mais da além da bota e do chapéu...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

O conceito bíblico de liberdade

Qualidades essenciais do conselheiro cristão