Pré-reformadores


Continuando a falar da reforma protestante, temos de nos lembrar que Lutero não foi o primeiro a pensar em mudanças. Muito antes de seu nascimento, homens de Deus entenderam os desvios da ICAR e buscaram implementar mudanças, ainda que simplesmente ensinando a verdade bíblica.

O primeiro nome que trataremos aqui é de Pedro Valdo. Esse comerciante convertido ao cristianismo em 1174 fez uma encomenda bem incomum: a tradução da Bíblia para a língua vulgata (língua comum, do povo, da nação). De posse desta tradução, ele iniciou uma jornada de pregação que logo agrupou cristãos que não só não aceitavam a autoridade Romana, como não aceitava o culto às imagens. É claro que enfrentou a perseguição católica e sua prática não se estendeu por muito tempo, ainda que os valdenses, seus seguidores, tenham se empenhado para tanto.

Um segundo nome dos pré-reformadores, que quero dar destaque, é de John Wycliffe (1320-1384). Esse inglês, basicamente, queria que a igreja retornasse à simplicidade da Igreja primitiva. Para ele, a riqueza, pompa e poder exercitados pela ICAR era incompatível com a natureza da igreja. Seu desejo era uma igreja simples, que cuidasse das questões espirituais e que o governo e a política fossem desempenhados por um Estado livre.

Seguindo os ideais de Wycliffe, temos um importante pré-reformador: John Huss (1369-1415). Sua importância, além das próprias ideias, está em sua produção literária. Certamente, foi o pré-reformador que mais registrou suas ideias, contribuindo, inclusive, para a língua tcheca, à qual estabeleceu os acentos gráficos. Por seguir ideais como os de Wycliffe, Huss foi condenado a ser queimado vivo, o que não foi o suficiente para que ele desistisse da verdade bíblica.

Como vimos, o solo fértil, onde brotou a Reforma Protestante, foi preparado por muito homens de valor. A coragem de não se calarem e a firmeza de não desistirem da verdade bíblica, fizeram com que os rudimentos desses homens pudessem se propagar e influenciar a outros. De fato, Lutero não foi um “originalista”, mas um servo de valor que não retrocedeu e conseguiu o apoio necessário para continuar vivo, pregando a Palavra de Deus e abrindo o caminho para muitos como Calvino, Martin Bucer, Zuínglio, Erasmo de Roterdã, Melanchton, John Knox e outros. SDG

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

Qualidades essenciais do conselheiro cristão

O conceito bíblico de liberdade