Santidade


Gosto muito do texto de Colossenses 3 para falar sobre santidade. Acho-o muito oportuno para esse tempo, no qual a igreja do Senhor tem enfatizado tanto as bênçãos terrenas. Paulo trata do “daqui para frente” do convertido. Ele inicia o capítulo falando sobre o fato de sermos ressuscitados, para, então, tratar sobre o que devemos fazer diante de tal realidade.

Em sua descrição vemos, claramente, que ele está tratando de santidade. A começar pela nossa forma de pensar, como ressuscitados, temos de deixar o que é próprio deste mundo caído e buscar o que é celestial, ou espiritual. Mas o que mais me chama a atenção no texto é que Paulo diz que estamos mortos e nossas vidas ocultas com Jesus. Isso significa que nossa ressurreição se trata de morrer para o mundo e viver para Cristo. Paulo não estava se contradizendo, mas apenas afirmando que morrermos para algo – o pecado – e vivemos para outra realidade – Cristo.

É esta vida escondida em Cristo que temos de viver. Para tanto, temos de buscar as coisas lá do alto, abandonando, consequentemente, as que são de baixo. Nos versos 5 a 9, vemos a descrição do tipo de coisa “de baixo”, as quais devemos abandonar. Do verso 10 em diante, temos aquilo que devemos fazer. Não sei se você reparou, mas o que Paulo está dizendo que, para aproveitarmos a vida que começou em nossa ressurreição espiritual, temos de buscar santidade. Isso significa que a santidade não é um meio para alcançarmos algo (salvação), mas um meio de aproveitarmos, ou desfrutarmos algo (salvação).

Não pense que a santidade é um meio de marcar pontos com Deus. Nós, enquanto não vivermos a realidade glorificada, não teremos a possibilidade de agradar a Deus por nós mesmos. O Senhor nos aceita por causa dos méritos, da santidade de Cristo, não da nossa propriamente dita. Contudo, buscar a santidade é poder desfrutar dos benefícios alcançados por Jesus. Portanto, santidade não é uma tensão de se correr atrás de algo, mas o deleite de se viver os benefícios da obra daquele que nos “chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1Pe 2.9).

Ser santo, portanto, é viver em novidade de vida; é buscar a existência plena de um ser humano criado à imagem de Deus. Viver em pecado é deteriorar a própria existência, é ser menos humano. Viva como um ressurreto em Cristo; morra para o pecado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

O conceito bíblico de liberdade

Qualidades essenciais do conselheiro cristão