Coisas do Espírito

Desde o Antigo Testamento vemos que o Senhor age e manifesta-se por meio de seu Espírito. Em Gênesis 1.2 vemos a primeira referência ao Espírito Santo na Bíblia. Ali temos sua participação na obra de criação descrita e de modo muito interessante. Em nossa tradução, revista e atualizada, vemos que o Espírito pairava sobre a face das águas, no entanto, a palavra hebraica tem um significado mais profundo. A palavra ali utilizada não tem apenas a idéia de pairar, mas também de chocar, como uma galinha que está sobre seus ovos a fim de que eclodam. Isso significa dizer que o Espírito foi o agente da trindade que deu forma ou fez acontecer tudo o que fora dito por Deus.

Em Gênesis 6.3 vemos outro tipo de ação do Espírito Santo. Além de ter participado e dado forma à criação, o Espírito age sobre a mesma, refreando-a em sua maldade. Após a queda, o homem sofreu mudanças em sua natureza, pois, afastado de Deus, não estava mais em comunhão coma fonte de todo bem. Sua natureza caída o conduz ao pecado e todo tipo de perversidão. Contudo, para que tal condição não levasse a humanidade ao seu fim, o Senhor age sobre o homem, por meio de seu Espírito, a fim de refreá-lo. Quando o texto diz “agirá”, o termo hebraico ali utilizado tem o sentido de contender. Isso significa que o Espírito de Deus contendia com a natureza pecaminosa humana, refreando e impedindo-a de ser tão má quanto poderia ser.

Desde Gênesis 31 vemos que, além do que já foi abordado, o Espírito de Deus dá dons ao seu povo. Nesse texto está descrito que Deus deu a Bezalel todas as capacidades necessárias para que ele trabalhasse na elaboração dos utensílios de culto. Vemos essa mesma atividade do Espírito descrita por Paulo em Romanos 12, 1 Coríntios 12 e Efésios 4. Como é bem claro em cada um desses textos, o Espírito é aquele que conduz o povo de Deus a fazer o que é necessário e desejado por Deus.

Acrescentando a tudo isso, vemos a ação do Espírito também ligada a efetivação da salvação. Vemos por todo o livro de Atos a presença do Espírito Santo ligada à conversão dos primeiros cristãos. Em 1 Coríntios 2.13,14 vemos uma clara declaração de que não existem meios de alguém entender o evangelho sem o Espírito Santo. O fato de termos ouvido a pregação do evangelho, entendido e crido infere a presença e ação do Espírito, pois todas essas coisas espirituais só são discernidas espiritualmente. Isso significa que chegar ao conhecimento da verdade é obra do Espírito.

Além disso, o Espírito age sobre o crente fazendo-o desfrutar da salvação. Em primeiro lugar, podemos vê-lo dando segurança e testificando o crente de sua salvação. Em Romanos 8.16, Paulo ensina essa verdade, dizendo que o Espírito de Deus testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. A palavra usada para “testificar” significa dar testemunho, mostrar que é verdade ou provar que é verdade. Isso significa que nos vemos como filhos de Deus pela ação do Espírito, quanto a qual não pode haver dúvidas.

Em segundo lugar, o Espírito assiste os crentes em suas debilidades. Em Romanos 8.26, vemos Paulo ensinando que em nossa debilidade de orar o Espírito Santo toma o papel de intercessor. Além disso, o Espírito supre os crentes em sua debilidade de ver a seu Senhor. Em João 16 vemos o ensino de Jesus sobre a necessidade da vinda do Espírito a fim de direcionar todas as coisas ao Filho. Isso nos leva a entender que o foco da obra da terceira Pessoa da trindade não é ele mesmo, o que nos leva a entender que nem deve ser esse o foco da igreja. Antes, o Espírito tem o papel de fazer convergir a Cristo todas as atenções. Veja algumas afirmações do Senhor Jesus presentes em João 16, que nos conduzem a esse entendimento:

7 Mas eu vos digo a verdade: convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei. 8 Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo: 9 do pecado, porque não crêem em mim; 10 da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; 11 do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado. 12 Tenho ainda muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora; 13 quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir. 14 Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar. 15 Tudo quanto o Pai tem é meu; por isso é que vos disse que há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar.

Repare que em todas essas afirmativas o foco é colocado em Jesus. Portanto, o foco, objetivo e o centro da obra do Espírito é Cristo. Por este fato é que devemos dedicar nossa adoração e reconhecimento pela obra do Espírito de Cristo conhecendo, louvando, focalizando, objetivando, amando e caminhando em direção a Jesus. Penso ser muito errônea a ideia de que o Espírito Santo foi esquecido e que precisamos focalizar sua pessoa, já que estamos no "tempo do Espírito". De fato, estamos no tempo do Filho, sendo guiados, selados, guardados pelo Espírito, mas para a glória do Filho. Isso não diminui o Espírito, mas faz jus à sua obra e a honra, já que ele, com diz Paulo, é o Espírito de Cristo.

Desta forma, portanto, vimos que o Espírito tem indispensável importância em nossa vida. Sua ação vai desde a transformação de nossa natureza, que nos torna homens espirituais a fim de entendermos as coisas espirituais, até nos conduzir na verdade. Isso significa que o Espírito é quem nos conduz pelo caminho que é Cristo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

O conceito bíblico de liberdade

Qualidades essenciais do conselheiro cristão