Você vive no centro ou na periferia?

Dia desses, ouvi Ravi Zacharias dizer: “a diferença entre o cristianismo e o naturalismo é que: no cristianismo as perguntas centrais são respondidas e as periféricas não; no naturalismo as perguntas periféricas são respondidas e as centrais não.”

Tal afirmação deveria ser um conforto, contudo, como ele mesmo observou, tal fato não tem trazido tranquilidade e satisfação ao cristão. O que tem acontecido para que cristãos que possuem respostas para as perguntas mais fundamentais e importantes da vida ainda se comportem como pessoas vazias e desesperadas por algo que lhes dê esperança?

Penso que a resposta está no foco de vida desses cristãos. Ao invés de se concentrarem no que é central e importante, crentes tem buscado as questões periféricas da vida. Muitos dos que se dizem crentes estão mais interessados em como alcançar prosperidade, restituição e cobertura apostólica, do que em saber sobre sua origem e seu propósito de vida. De fato, muitos tem transformado seu propósito de vida naquilo que é vento, vaidade, como diz o pregador, Salomão.
Aquele evangelho que falava da morte e ressurreição do Deus que se fez homem, para dar vida aos seus, transformou-se no evangelho do ter, do dinheiro, do poder. A ganância capitalista ganhou ares religiosos e até um lugar na teologia. Os crentes começaram a medir sua felicidade e sucesso, não pelo progresso em seu relacionamento e conhecimento de Deus e pela vitória sobre os pecados do dia a dia, mas pelo valor dos bens e o quanto se acumula.

Por esta razão, muitos crentes estão insatisfeitos e sentem-se não realizados. Ao invés de alegrarem-se com as verdades mais importantes respondidas pela revelação divina, eles desviam seu olhar para o que é menos importante e torna estas coisas centrais para eles. Isso é viver na periferia da vida, nas questões menos importantes. O convite que constantemente faço neste espaço é: venha viver no centro, venha viver de verdade.

Comentários

  1. Beleza de Post.
    Estou feliz, realizada, não sou "discupula da teoria da prosperidade", e Jesus habita no centro do meu ser e eu moro no centro na rua principal da melhor cidade do mundo, a minha casa éo meu palacio, meu marido é meu príncipe e os problemas são pertinentes as coisas dos seres vivos.

    Eu vivo em Cristo; porém antes Ele certamente sempre habitou em mim.

    bjs adoreiiiiiiiii o post

    ResponderExcluir
  2. Minha irmã, que bom que gostou. Por suas palavras, acho que somos vizinhos...rsrs.

    Naquele que em nós habita.
    Bênçãos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

"Alegrei-me quando me disseram: vamos à casa do Senhor" (Sl 122.1)

Qualidades essenciais do conselheiro cristão

O conceito bíblico de liberdade